ColunistaDestaquesFórmula EPost

Sam Bird conquista sua primeira vitória com a Jaguar sob bandeira vermelha no Eprix2 de Diriyah

Acidente envolvendo cinco carros interrompeu a corrida a menos de três minutos para o fim

Sam Bird conquistou sua primeira vitória com a Jaguar no circuito de Diriyah. Uma bandeira vermelha foi acionada nos minutos finais da corrida que foi encerrada com dois minutos a menos. Após largar da 3ª posição, o britânico travou grandes disputas seu ex-companheiro de equipe, Robin Frijns. O piloto da Virgin ficou com o 2º lugar. 

Completando o pódio, Jean-Eric Vergne se recuperou bem durante a prova, trazendo consigo seu companheiro de Techeetah, Antonio Félix da Costa. 

Sérgio Sette Câmara, que largou em 2º, chegou em 6º e Lucas di Grassi não conseguiu repetir o feito da sexta-feira e chegou apenas em 12º.

O ACIDENTE DE MORTARA

Antes da corrida, a FIA e a Mercedes encontraram e corrigiram o problema que causou o acidente de Edoardo Mortara no fim do TL3. O piloto da Venturi foi levado ao hospital, mas estava no no circuito na hora da largada, mas não participou do Eprix, pois a equipe não conseguiu consertar o carro a tempo.

A causa do acidente foi uma falha no sistema de freios. O freio dianteiro falhou e o traseiro, que deveria servir como emergência, também não funcionou. Mortara treinava a largada após o TL3 quando atingiu com força a barreira de proteção no fim da reta principal. 

CORRIDA

Na largada Frijns se manteve à frente, Bird passou Sette Câmara com um leve toque entre os dois. A dupla de Techeetah pulou para 7º e 8º, com Vergne na frente. Buemi pressionou bastante para retomar a posição que da Costa tomou. Lucas di Grassi já era o 12º nas primeiras voltas. 

Apesar da largada tranquila, Bird partiu para o ataque em Frijns. O dois abriram vantagem de 2.3 para o pelotão liderado por Sette Câmara.

Blomqvist perdeu a posição para Müller e errou na curva 18 na volta seguinte, o piloto da NIO também foi ultrapassado por Vergne. Sette Câmara abriu 1.5 para Turvey, que vinha na 4ª posição. O brasileiro encontrou uma distância segura para gerenciar. 

O lugar preferido para ultrapassagem era de fato a curva 18. Da Costa passou Blomqvist e Buemi retomou a posição perdida para Cassidy voltas antes. 

Vergne foi o primeiro a ativar o Modo Ataque. O francês ultrapassou o companheiro de equipe que também perdeu a posição para Müller na volta seguinte. Vergne também ganhou a posição de Turvey quando o piloto da NIO passou pela zona de ativação. 

Com a distância que conseguiu abrir, Sette Câmara ativou seu primeiro MA sem problemas. A energia extra o deixou bem próximo a Frijns na hora em que o piloto da Virgin fez sua primeira ativação da corrida. 

Ocupando as duas últimas posições, Lotterer e Vandoorne estavam completamente sem ritmo de corrida. O mesmo para Nyck de Vries e Norman Nato, que não participaram do quali. 

Os líderes trocaram de posições quando Sam Bird ativou o Modo Ataque pela primeira vez. Robin Frijns passou o ex-companheiro que também perdeu a posição para Sette Câmera. O piloto da Virgin voltou à liderança da corrida e Bird recuperou o 2º lugar ao passar pelo brasileiro da Dragon.

Com 20 minutos de prova, Vergne e da Costa já eram 4º e 5º, respectivamente, com Oliver Turvey em 6º. Vergne ultrapassou Sette Câmara e da Costa ativou o Modo Ataque mantendo a posição. 

Bandeira amarela em toda a pista. Em disputa com Pascal Wehrlein, Jake Dennis teve seu carro espremido no muro e danificou sua suspensão dianteira. Fim de prova para a BMW #27.

A interrupção durou apenas dois minutos e, na relargada, Bird partiu para o ataque em Frijns e a dupla da Techeetah passou Sette Câmara, com da Costa chegando à 3ª posição. 

Wehrlein foi punido com o drive-through pelo acidente com Dennis.

Os quatro primeiros deram uma sequência de voltas com intensas disputas. Vergne e da Costa chegaram a se tocar quando o francês ultrapassou o companheiro de equipe. 

Faltando 15 minutos para o fim da prova, Bird voltou a ser o líder após passar Frijns com o Modo Ataque ativado. 

Nick Cassidy chegou à 6ª posição, mas entrou em investigação por ter excedido o limite de 50 km/h durante a bandeira amarela. Nico Müller conseguiu se manter em 7º, com a Turvey e Blomqvist logo atrás. Rowland e Rast fechavam o top 10.

Na volta 27, uma nova bandeira amarela total, dessa vez causada por Sebastien Buemi que parou o carro na curva 20. 

O acidente também envolveu Guenther e Evans. Buemi forçou a ultrapassagem no piloto da BMW que acabou atingindo a Jaguar de Evans que nada tinha a ver com a história. O Safety Car precisou entrar na pista para que os fiscais pudessem fazer a limpeza corretamente.

 A transmissão oficial não mostrou, mas Alex Lynn também se acidentou. Pelas imagens que circularam nas redes sociais, ele deve ter acertado outro carro que tentou se desviar do acidente à frente e deslizou de ponta-cabeça na mesma curva em que estavam Guenther e Evans. 

Apesar da seriedade da imagem, o piloto da Mahindra foi levado para o hospital consciente e falando.

O M7Electro de Alex Lynn (Mahindra Racing) de cabeça para baixo após acidente em Diriyah. Foto: Divulgação Fórmula E.
Alex Lynn (Mahindra Racing) sendo atendido pela equipe médica após acidente em Diriyah. Foto: Divulgação Fórmula E.

Devido a demora, a bandeira vermelha foi acionada. O cronômetro foi paralisado faltando 2:41 + uma volta para o fim e a corrida foi encerrada com Sam Bird na liderança, Robin Frijns em 2º e Jean-Eric Vergne em 3º. 

Sam Bird conquistou sua primeira vitória com a Jaguar, sua 10ª, e se mantém sendo o único piloto a vencer pelo menos uma corrida por temporada. Sergio Sette Câmara cruzou a linha de chegada em 6º, mas Nick Cassidy, que chegou em 5º, pode ser punido e perder a posição. Lucas di Grassi foi o 12º.

Nico Müller, Oliver Turvey, Oliver Rowland e Rene Rast completaram o top 10. A volta mais rápida ficou novamente com Rene Rast, 1:09.454.

Mostrar mais

Cinthia Venâncio

Cearense que acompanha Fórmula 1 desde que se entende por gente. Faz aniversário no mesmo dia do Damon Hill.

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo