ColunistaFórmula 1Post

Raio-X do GP de Eifel

Hamilton volta a escrever o nome na história da Fórmula 1. Depois de dois anos Daniel Ricciardo volta ao pódio

O fim de semana começou fora do combinado, os times não conseguiram realizar as atividades de sexta-feira, a pista estava fria e o desconhecimento sobre o desempenho dos pneus trouxe muitas dúvidas. Mas de modo geral as coisas ocorreram bem, nenhum acidente na primeira volta da corrida aconteceu e a relargada com os pneus frios funcionou. Aquela velha discussão sobre os treinos de sexta-feira devem retornar nos próximos dias, mas se alguém tinha medo de Ímola com este mesmo tipo de configuração, parece que esse fim de semana foi capaz de acalmar alguns corações. A Fórmula 1 consegue funcionar mesmo com um formato curto de fim de semana.

Lewis Hamilton voltou a vencer, igualou o número de vitória de Michael Schumacher e mais uma vez pontua o seu nome na. A corrida foi boa para o campeonato e prova que a disputa entre Racing Point, McLaren e Renault está bem viva. Vamos agora para o texto que conta um pouco mais sobre o fim de semana de cada equipe, seguindo a atual ordem do campeonato de construtores.

Mercedes

Lewis Hamilton consegue igualar o recorde de número de vitórias de Michael Schumacher – Foto: Mercedes / Daimler

Lewis Hamilton gosta bastante das pistas e treinar é algo necessário para um piloto como ele, afinal é justamente a prática que leva a perfeição. A perda das atividades da sexta-feira, trouxeram um sábado movimentado, os times e pilotos aproveitaram bem o terceiro treino livre e por ser a única sessão da classificação, foi notável alguns erros para aqueles que estavam buscando saber como aquecer os pneus e encontrar uma volta perfeita.

A classificação trouxe uma disputa intensa entre os companheiros de equipe na Mercedes e Max Verstappen da Red Bull. Hamilton não se sentiu confiante com o carro e perdeu um pouco de ritmo no terceiro setor, isso bastou para que Valtteri Bottas conseguisse encaixar a volta perfeita da pole.

O finlandês deixou a Rússia confiante após conquistar a sua segunda vitória da temporada, o TL3 confirmou que Bottas não estava para brincadeiras e o registro da pole deixou o sentimento ainda mais evidente. Durante a largada ele se manteve aguerrido, fechou a porta para Hamilton e foi tentando administrar a distância para o inglês. No entanto, Bottas acabou errando na volta 14, danificou os pneus e foi ultrapassado por Hamilton, depois disso a prova do finlandês assumiu um ar de dramaticidade, pois o motor apresentou problema e cinco voltas depois ele precisou abandonar.

Confira: Volta por Volta – Vitória de Hamilton com Verstappen e Ricciardo completando o pódio

Hamilton venceu a corrida com folga e mesmo com a aproximação que o Safety Car forneceu, o inglês voltou a disparar na ponta. A marca de 91 vitórias é mais uma para a história da Fórmula 1 que se mescla com as conquistas de todos esses pilotos que já passaram pela categoria.

Red Bull

Pódio do GP de Eifel – Foto: Mercedes / Daimler

O TL3 mostrou uma Red Bull forte brigando pela ponta em diversos momentos, além disso foi a chance de Alexander Albon brigar por um melhor tempo com o companheiro de equipe e o desempenho da Red Bull fez com que as outras equipes acreditassem que o time em Nürburgring estava realmente forte.

Durante a classificação Max Verstappen batalhou pela ponta e ao conseguir a pole provisória, foi animado para a segunda tentativa, mas precisou se contentar com a terceira posição. A prova do holandês foi interessante, o início foi forte, mas não o suficiente para brigar com as Mercedes, desta forma Verstappen foi administrando a sua posição na pista. Após o abandono de Bottas, Max se agarrou na segunda posição e não perdeu mais. A relargada trouxe um pouco de dúvidas, mas mesmo com os pneus frios, ele batalhou para permanecer na segunda posição.

A disparidade na pista mostrou Verstappen separado por mais de um minuto de Daniel Ricciardo e só o Safety Car foi capaz de aproximá-los. O holandês ainda conseguiu a volta mais rápida da corrida, rendendo mais um ponto para ele ao final da prova.  

Para Alexander Albon, a corrida foi bem complicada, o piloto precisou antecipar a parada pois travou os pneus e ficou com um deles furado, quando estava disputando com Daniel Ricciardo o P5. Para completar o início complicado, o tailandês abandonou a prova na volta 25, um detrito que estava na pista furou o radiador do seu carro e gerou superaquecimento do motor.

Albon teve mais dois episódios contraditórios na corrida, bateu com Danil Kvyat, quebrando a asa dianteira do russo e quase se tocou com Pierre Gasly. O tailandês foi punido quando entrava nos boxes para abandonar a corrida, por conta da batida com Kvyat.

Os pontos conquistados por Max conseguem manter a Red Bull bem posicionada no segundo lugar do campeonato de construtores.

Racing Point

Nico Hulkenberg assume assento de Lance Stroll para disputar o GP de Eifel – Foto: Racing Point

Mais uma vez na temporada 2020, a Racing Point precisou recorrer a Nico Hulkenberg para ocupar um dos assentos. Desta vez o alemão substituiu Lance Stroll que não estava se sentindo bem na manhã de sábado. Hulk participou da classificação e da corrida, a primeira atividade foi conturbada e ele largou da vigésima posição, mas foi crescendo durante a prova até terminar a corrida em oitavo, auxiliando o time na conquista da terceira posição do campeonato de construtores.

Confira: Classificação: Bottas supera Hamilton e Verstappen, para cravar a pole em Nürburgring

Sergio Pérez não teve um início tão fácil, largou da nona posição, mas seguiu realizando ultrapassagens e quase fechou no pódio, pois ameaçou o terceiro lugar de Ricciardo durante a relargada. A equipe segue em uma crescente, ainda que tenham alguns deslizes pelo meio do caminho e após o fim de semana conturbado, eles conseguiram contornar os problemas para obter o terceiro lugar dos construtores.

Vale ressaltar que foi a única equipe entre os dez a terminar a prova com os dois carros na zona de pontuação.

McLaren

Lando Norris não consegue terminar a corrida – Foto: McLaren

GP após GP voltamos a falar de um dos pilotos da McLaren que não conseguiu concluir a corrida e até este momento a equipe experimentava um pouco de sorte, pois os seus adversários também experimentavam algum tipo de problema.

Lando Norris que ficou fora da zona de pontuação na corrida da Rússia, não terminou a prova deste domingo. Ele largou da oitava posição, chegou a disputar a terceira posição, mas ele passou a identificar um problema de perda de potência. Dos boxes a equipe foi passando algumas instruções para auxiliá-lo, mas a sua permanência passou a ficar insustentável e na volta 44 ele abandonou. A equipe acredita que Norris teve o mesmo problema de escapamento enfrentado por Carlos Sainz durante o GP da Bélgica e vai investigar a situação.

A Renault realizou a troca de diversos componentes do motor, para solucionar o problema que foi identificado da unidade de potência. A fornecedora já foi acionada para esclarecer o problema.

Confira: Raio-X do GP da Bélgica

Carlos Sainz que largou do décimo lugar, terminou a corrida no 5º lugar, o ritmo dos adversários parecia um pouco melhor e a McLaren terminou atrás de Renault e Racing Point. O fato de não sentir muito confortável com o carro, dez com que o espanhol não fosse tão bem na prova. Agora eles vão precisar analisar os dados para entender os problemas. O foco é recuperar a terceira posição do campeonato de construtores, mas também se defender da Renault que se aproximou muito nas últimas corridas.

Renault

Daniel Ricciardo conquista primeiro pódio com a Renault, depois de muito tempo afastado das posições mais altas do pódio – Foto: Renault

O time passou dos 100 pontos e agora está separado por apenas 2 pontos da McLaren. O terceiro lugar conquistado por Daniel Ricciado foi o responsável por reduzir a diferença para a equipe rival e finalmente o pódio tão esperado saiu para o australiano. A última vez que Ricciardo viu o pódio e esteve na primeira posição, foi durante o GP de Mônaco de 2018, desde então o piloto segue mostrando todo o seu talento e batalhando pelas primeiras posições.

Além disso já faz muito tempo que a Renault não conquistava um pódio, a última vez como Renault, foi no GP da Bélgica de 2010 com Robert Kubica. Mas como Lotus Renault o último pódio ocorreu no GP da Malásia de 2011 com Nick Heidfeld.

Ricciardo teve um importante batalha com Charles Leclerc até realizar a ultrapassagem e assumir a quarta posição. Foi ameaçado por Pérez durante a relargada, mas também aproveitou para atacar Verstappen. Para o australiano voltar ao pódio, trouxe a sensação de estar nele pela primeira vez.

A Renault quase pontuou com os dois carros, mas Esteban Ocon abandonou a corrida por conta de um problema hidráulico que fez o piloto perder os freios e as marchas. Mesmo com o abandono, a Renault segue demostrando uma crescente no campeonato e se tornou uma equipe que os adversários não podem deixar brechas.

Ferrari

Charles Leclerc termina na sétima posição – Foto @Scuderia Ferrari Press Office

A Ferrari lrvou mais algumas atualizações para o GP de Eifel, infelizmente o time não conseguiu realizar os testes na sexta-feira, mas no sábado Charles Leclerc conseguiu a quarta posição. No ritmo de corrida o time italiano segue perdendo um pouco de desempenho e o monegasco começou a ser ultrapassado. Eles precisaram apostar em uma estratégia de duas paradas, mas Leclerc conseguiu terminar a corrida na sétima posição.

Sebastian Vettel terminou a corrida na décima primeira posição, esteve batalhando durante boa parte da prova com Antonio Giovinazzi e quando tentou realizar uma ultrapassagem na volta 16, o alemão acabou rodando.

O time sofreu com os pneus que por conta das baixas temperaturas formavam os granulados, deixando os pilotos mais lentos na pista. A Ferrari segue na sexta posição do campeonato somando 80 pontos e a sua disputa é justamente com a AlphaTauri que ocupa a sétima posição nos construtores.

AlphaTauri

Pierre Gasly antes da largada para o GP de Eifel – Foto: Red Bull Racing

O ritmo de classificação do time ainda é algo que eles ainda precisam trabalhar, mas durante a corrida as apostas em estratégias diferentes costumam funcionar. Os dois pilotos largaram com os pneus médios, apostando em um stint mais longo, no entanto, Daniil Kvyat deu azar ao se encontrar com Alexander Albon e acabou perdendo a asa dianteira e precisou seguir para os boxes, realizando a troca da peça e aproveitou para instalar os pneus duros e que poderia durar por mais tempo.

O russo não conseguiu se recuperar e fechou a corrida na décima quinta posição, sendo o último piloto do grid que completou a prova. A chance de os dois carros pontuarem eram grandes, ocorreram alguns abandonos importantes nas outras equipes e até auxiliou no resultado de Pierre Gasly que cruzou a linha de chegada na sexta posição.

O francês somou oito pontos e contribuiu para o time que tenta reduzir a diferença para a Ferrari.

Alfa Romeo

Antonio Giovinazzi conquista mais um ponto ao terminar na décima posição – Foto: Alfa Romeo Media

A Alfa Romeo conseguiu mais um ponto e desta vez conquistado por Antonio Giovinazzi. A equipe aproveitou os abandonos que foram ocorrendo durante a corrida, mas também o equilíbrio do carro e a sua boa performance. Os dois carros chegaram a figurar entre os dez e seria uma baita conquista conquistar pontos com os dois, mas o Safety Car provocado por Lando Norris mudou um pouco a situação do time na pista.

Durante a classificação Giovinazzi conseguiu levar o carro para o Q2, conquistou boas posições durante a largada e foi administrando as disputas para conseguir se manter entre os dez. Foi uma grande corrida do italiano que busca permanecer no time para a temporada de 2021.

Kimi Raikkonen chegou à marca de 323 largadas, então a equipes esperava levar o finlandês até a zona de pontuação e eles trabalharam bastante para chegar a esta conquista. Infelizmente durante o caminho, Raikkonen se envolveu em um toque com George Russell e tirou o piloto da Williams da corrida e a punição de dez segundos saiu para o finlandês na vigésima segunda volta.

Vimos o piloto do carro #7 travando disputas importantes durante a corrida, ainda que muitas destas brigas sejam com carros que utilizam o motor Ferrari.

Haas

Romain Grosjean conquista dois pontos ao terminar na nona posição do GP de Eifel – Foto: Media Haas

Assim como a Alfa Romeo, Romain Grosjean conquistou mais dois pontos para a Haas. Foi uma corrida movimentada para o time, o francês teve uma largada difícil, mas conseguiu realizar ultrapassagens importantes para fechar a prova em décimo. Guenther Steiner acredita que a falta de treinos pode ter ajudado a colocar as equipes de fato em igualdade.

Kevin Magnussen terminou a corrida na décima terceira posição, ficou um pouco frustrado por não ter conseguido aproveitar a chance para conquistar mais alguns pontos e até falou sobre a estratégia que não favoreceu a sua corrida. Eles esperam conquistar mais pontos ao longo da temporada e manter a disputa com a Alfa Romeo.

Williams

Nicholas Latifi reclamou da falta de ritmo – Foto Williams Racing

A falta de ritmo é uma reclamação constante dos pilotos da Williams e uma justificativa para os resultados difíceis obtidos na temporada. Raikkonen acabou com a corrida de George Russell que estava disputando com Sebastian Vettel e próprio finlandês.

Por outro lado, Nicholas Latifi apontou também a falta de ritmo, mas perdeu a chance de disputar a corrida após a relargada. Eles vão rever mais uma vez os acontecimentos do fim de semana e analisar os problemas que apareceram em mais de uma etapa neste ano.

Confira o nosso podcast sobre o GP de Eifel 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo