ColunistaFórmula 1Post

Raio-X do GP da Toscana

Mais uma corrida caótica na temporada, mas desta vez a Mercedes conquistou uma dobradinha, com Alexander Albon obtendo o primeiro pódio

O GP da Toscana foi intenso, ele marcou o encerramento de mais um trio de corridas do calendário, um circuito totalmente novo onde as equipes precisaram coletar dados e os pilotos estavam buscando conhecer o traçado. Um traçado estreito e veloz para abrigar a nona etapa da temporada.

Tivemos a 90ª vitória de Lewis Hamilton, a terceira dobradinha da Mercedes com o inglês e o Valtteri Bottas ocupando as duas primeiras posições. Vale ressaltar o primeiro pódio de Alexander Albon que brigou com Daniel Ricciardo para conseguir a terceira posição, pois foi o único piloto da Red Bull que terminou a corrida.

Paralisações

Pit-lane durante as paralisações do GP da Toscana – Foto: Red Bull Racing

A corrida teve a entrada do Safety Car ainda na primeira volta, pois ocorreu o toque envolveu Max Verstappen, Pierre Gasly, Kimi Raikkonen e Romain Grosjean. O holandês estava com falta de potência no motor e perdeu várias posições, desta forma foi engolido pelo restante do pelotão.

O primeiro regime de bandeira vermelha foi aplicado após oito voltas, quando ocorreu a relargada e os pilotos que estavam na parte final do grid, tiveram a sensação de que os pilotos que estavam a frente haviam relargado, mas com as reduções de velocidade ainda na reta, ocorreu um engavetamento. Antonio Giovinazzi, Carlos Sainz, Nicholas Latifi e Kevin Magnussen abandonaram.

Confira: Volta por Volta – Vitória de Hamilton, enquanto Albon comemorou o seu primeiro pódio

Lance Stroll provocou a segunda bandeira vermelha do dia, quando passou reto e bateu na barreira de pneus. A batida foi forte e o carro ficou bem danificado, para a limpeza da pista os comissários paralisaram a prova.

Vamos ao texto que comenta mais sobre as equipes, respeitando a sua posição no campeonato atual!

Mercedes

Lewis Hamilton e Valtteri Bottas - Foto: Mercedes
Lewis Hamilton e Valtteri Bottas – Foto: Mercedes

Grande fim de semana da Mercedes, donos dos treinos livres, classificação e corrida, mas ainda assim vale falar sobre cada um desses personagens que está na equipe alemã. O início das atividades mostrava um Valtteri Bottas brigando pelas voltas rápidas e com garra para batalhar pela pole, aliás, ele fechou o TL3 como favorito, mas durante a classificação Hamilton entregou a melhor volta.

Ainda é necessário dizer, que após duas largadas ruins do finlandês (Bélgica e Itália), Bottas tirou a sorte grande quando Hamilton largou mal e não pensou duas vezes, assumiu a ponta e resto foi aquele caos do início da prova. Para o azar de Bottas as outras duas relargadas que ocorreram, não foram favoráveis ao piloto que não conseguiu atacar o companheiro de equipe.

Desta forma podemos dizer que o único deslize de Lewis, ocorreu justamente durante o início da prova, pouco depois o inglês que havia conquistado a pole retomou a primeira posição e não deixou mais espaço para Bottas, mesmo com todas as intempéries da prova.

Confira: GP da Toscana – Lewis Hamilton vence de forma brilhante, após corrida caótica em Mugello

E sempre após o GP, volto a pensar no quanto Bottas acaba devendo mesmo com o carro que tem. Mesmo terminando na segunda posição, acho que é natural esperamos que o piloto fosse capaz de extrair mais do carro, ameaçasse mais o companheiro de equipe… Ainda recordo que o finlandês pediu uma estratégia diferente para ele, que o ajudasse disputar com Hamilton, mas parecia que a equipe só queria que eles trouxessem o carro para casa.

Red Bull

Alexander Albon conquista primeiro pódio – Foto Red Bull Racing

Após a corrida na Itália onde a equipe saiu zerada da etapa, o time buscou se recuperar em Mugello. A classificação foi boa para a dupla que começou do terceiro e quarto lugar, mas antes do início da corrida, ainda na volta de alinhamento Max Verstappen comentou sobre a falta de potência no motor, a equipe confirmou que havia solucionado o problema, mas assim que a corrida iniciou o motor voltou a apresentar a mesma falha e o holandês perdeu várias posições até ocorrer o toque que o tirou da corrida.

Alexander Albon ficou com o peso de pontuar e ter uma boa corrida e o tailandês viveu momentos distintos, desde uma primeira relargada ruim que o fez cair para P7, até a oportunidade de brigar com Daniel Ricciardo após o abandono de Lance Stroll. Albon ainda tentou buscar Bottas, mas esta disputa era mais difícil. O tailandês garantiu o seu primeiro pódio da carreira após perder duas grandes chances desde que entrou na Red Bull (GP do Brasil de 2019 e GP da Áustria de 2020).

McLaren

Após conquista o pódio no GP da Itália, Carlos Sainz se enconve em incidente e não termina o GP da Toscana – Foto: McLaren

E depois de um bom fim de semana no GP da Itália, a McLaren tomou um banho de água fria pois o desempenho da equipe em Mugello não era nada bom. A perspectiva para a prova era um pouco melhor, mas quando se larga no meio do pelotão, o resultado da prova acaba sendo uma loteria e assim Carlos Sainz acabou batendo naquela primeira relargada que aconteceu após o início da prova e o espanhol foi forçado a abandonar.

Confira: Raio-X do GP da Itália

Lando Norris começou a corrida na décima primeira posição e terminou em sexto, ele fez o que foi possível para conseguir um bom resultado, mas não tinha ritmo para ir além disso. O problema ligado ao desempenho fora sentido ainda nos treinos livres, quando perceberam que não havia muitas chances para brigar com os rivais.

Racing Point

Sergio Perez em GP da Toscana - Foto: Racing Point
Sergio Perez em GP da Toscana – Foto: Racing Point

Não era um ritmo excepcional como do início da temporada, mas a Racing Point conseguiu se firmar na sexta e sétima posição para a largada. Sergio Pérez largou bem e aproveitou a queda de Verstappen para avançar para a quinta posição. Foram espertos ao travar os conflitos necessários, mas não se envolveram em incidentes que pudessem prejudicar as suas corridas.

Confira: Sergio Pérez confirma saída da Racing Point ao final da temporada 2020

Lance Stroll levou um pouco mais de tempo para realizar a ultrapassagem em Charles Leclerc, mas conseguiu assumir a posição do monegasco. Sua melhor performance foi com os compostos médios, mas eles podem ter tirado o canadense da prova, pois a equipe suspeita de um furo no pneu e por este motivo o piloto teria perdido a traseira do carro e batido forte na curva 3. A desaceleração que o canadense sofreu após a batida foi preocupante, mas nada aconteceu com ele que segue bem.

Pérez cruzou a linha de chegada na quinta posição, o mexicano foi punido por conta do confronto com Kimi Raikkonen durante o TL2, mas conseguiu obter um bom desempenho na prova e fechou em P5. O mexicano falou um pouco sobre a falta de ritmo e ela realmente foi uma questão, pois da volta quinze em diante o Pérez perdeu um pouco de contato, além de ser ultrapassado por Ricciardo e Albon.

Confira: Sergio Pérez foi punido após toque com Raikkonen no TL2

Conquistaram pontos importantes, mas vale ressaltar que tanto a McLaren, quanto a Renault, assim como a Racing Point só somaram pontos com um dos carros.

Renault

Daniel Ricciardo no GP da Toscana - Foto: Renault
Daniel Ricciardo no GP da Toscana – Foto: Renault

Foi uma boa corrida para Daniel Ricciardo, mesmo com o australiano não conseguindo o pódio. Ricciardo teve boas relargadas, o que possibilitou ao piloto travar disputas importantes, mas Alexander Albon aproveitou a utilização do DRS para conseguir realizar a ultrapassagem e conquistar a terceira posição. E nas palavras de Ricciardo sobre o resultado: “Dói não estar no pódio depois disso, mas o quarto lugar ainda é um grande resultado.”

Durante os treinos livres a dupla teve uma performance apagada, mas durante a classificação conseguiram levar os dois carros para o Q3.

Infelizmente Esteban Ocon acabou abandonando com o superaquecimento dos freios, o francês acreditava no seu ritmo, mas acabou perdendo a chance de brigar com a McLaren guiada por Lando Norris.

Ferrari

Charles Leclerc com pintura especial para o GP da Itália - Foto: Ferrari Media
Charles Leclerc com pintura especial para o GP da Itália – Foto: Ferrari Media

Em comemoração aos 1000 GPs a Ferrari veio de cara nova para Mugello. O time italiano apresentou uma nova pintura e esperava obter um bom resultado. Os dois pilotos pontuaram nesta rodada e Charles Leclerc que vinha mostrando um bom ritmo durante os treinos livres, repetiu a dose para a classificação e largou da quinta posição.

Na largada o monegasco brilhou e foi visto na terceira posição, mas após a relargada que ocorreu depois da paralisação, o ritmo para segurar os carros da Racing Point e Renault não foram o bastante. A Ferrari ainda optou por uma estratégia de parada bem estranha, o que levou o piloto para a última posição, mas Leclerc conseguiu se recuperar e terminou em oitavo.

Confira: Em comemoração aos 1000º GPs, Ferrari utiliza pintura especial

Sebastian Vettel voltou a ter um desempenho ruim, figurando nas últimas posições do grid. O alemão que está de casa nova para a próxima temporada encontrou muita dificuldade para a realização de ultrapassagens, mas conseguiu garantir o décimo lugar.

Este foi o primeiro GP onde o público (reduzido) esteve presente, então foi o bom resultado para o time ao final da prova.

AlphaTauri

Daniil Kvyat no GP da Toscana - Foto: AlphaTauri
Daniil Kvyat no GP da Toscana – Foto: AlphaTauri

Foi um baque duro! Sem dúvidas, pois em um fim de semana eles estavam conquistando uma vitória e somando pontos com os dois carros e quando chegou a etapa de Mugello, Pierre Gasly não completou a prova.

Vale lembrar que a classificação do francês não foi muito boa, o piloto vinha de um fim de semana confiante, mas ao ficar sem energia nas baterias para a última volta da classificação, Gasly perdeu a chance de batalhar por uma posição melhor.

Largar no meio do bolo é bem ruim, por conta da falta de espaço, acabou se envolvendo em um toque com Raikkonen e Grosjean e a chance de conquistar pontos acabou na segunda curva da corrida.

Daniil Kvyat ficou como a surpresa do fim de semana, pois largou da décima segunda posição e terminou a prova no sétimo lugar. Kvyat comemorou o bom resultado e os pontos conquistados. O russo, assim como Hamilton comentaram o desgaste físico e psicológico provocados pela prova.

Confira o podcast do GP da Itália: 

Alfa Romeo

Kimi Raikkonen conquistou dois pontos ao terminar a prova na nona posição. E realmente foi uma surpresa para o finlandês pois o seu início de prova foi conturbado, ele esteve envolvido no incidente da largada o que lhe rendeu uma passagem antecipada nos boxes. Após a primeira bandeira vermelha que gerou a paralisação da prova, o time passou a trabalhar no carro do finlandês para reequilibrá-lo e garantir um bom ritmo para o seu retorno. Raikkonen ainda precisou lidar com uma punição de cinco segundos por ter entrado nos boxes quando já havia cruzado a linha dos boxes.

A largada do finlandês foi boa e ao término da corrida o tempo foi acrescentado a sua volta, onde o piloto só perdeu a posição para Leclerc, fechando em nono.

Por outro lado, é a segunda corrida consecutiva que Antonio Giovinazzi abandona, desta vez o italiano se acabou se envolvendo em um incidente com Kevin Magnussen e Nicholas Latifi. Giovinazzi precisou reduzir a velocidade abruptamente, após se encontrar com o dinamarquês que estava lento na reta e por fim acertou o piloto da Williams.

O carro da Alfa estava apresentando um ritmo, a equipe esperava por um bom resultado. Raikkonen conquistou os primeiros dois pontos da temporada e agora o time tem 4 pontos no campeonato de construtores.

Haas

Romain Grosjean no GP da Toscana - Foto: Haas Media
Romain Grosjean no GP da Toscana – Foto: Haas Media

A Haas segue com problemas, não conseguindo se classificar bem ou tendo uma chance melhor para brigar por posições melhores e assim como Guenther Steiner comentou, eles sempre estão envolvidos na movimentação da prova, mas da pior forma, desta vez Kevin Magnussen estava lento quando ocorreu a batida com Giovinazzi. A falta de espaço durante aquela largada prejudicou o piloto da Haas, além de outros competidores.

No início da corrida Romain Grosjean já sabia que a prova não seria fácil, pois havia danificado o carro na largada. Após a primeira bandeira vermelha, o francês não tinha ideia se poderia retornar para a pista, pois o carro estava bem danificado, mas quando optaram por participar da relargada, sabiam que batalhar pelos pontos, não seria uma tarefa fácil. Perdendo quase dois segundos por volta, Grosjean só terminou a prova obtendo o P12.

Williams

George Russell briga pelos pontos no GP da Toscana - Foto: Williams Racing
George Russell briga pelos pontos no GP da Toscana – Foto: Williams Racing

Mais uma vez na temporada que George Russell figura na zona de pontuação, mas não consegue o resultado. Vamos aos fatos, a Williams não passou para o Q2, mas por conta dos abandonos, Russell pode ir avançado, chegou a correr entre os dez. Mas a segunda bandeira vermelha acabou por prejudicar o piloto, pois por conta da aproximação, o piloto não conseguiu segurar as investidas de Sebastian Vettel.

Russell quer estes pontos pois sabe que a equipe merece, além dele mesmo que vem realizando um bom trabalho com o equipamento que tem disponível.

Ainda andando nas últimas posições, a melhor chance foi este décimo lugar. Infelizmente Latifi esteve envolvido no incidente da relargada que custou a sua permanência na prova e foi mais uma vítima deste incidente.

É duro, mas a realidade da Williams é ainda de fim de pelotão. Simon Roberts assumiu a função de chefe de equipe e comandou os trabalhos após a saída de Claire Williams do time após o GP da Itália.

Confira o Podcast sobre o GP da Toscana!

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo