ColunistaDestaquesFórmula 1Post

Preview do GP do Japão de Fórmula 1 – Histórias de vitórias e derrotas marcam este GP

O Grande Prêmio do Japão foi uma das últimas corridas agregadas ao calendário da Fórmula 1 e acabou sendo o palco de algumas decisões de campeonato. O autódromo Fuji Speedway foi local destinado para a realização das duas primeiras provas que ocorreram no Japão nos anos de 1976 e 1977, até ser retirado novamente do calendário, por 10 anos. Seu retorno se deu em 1987 no autódromo de Suzuka, hospedando a Fórmula 1 de forma exclusiva e ganhando a reputação de corrida mais desafiadora da temporada.

Nos anos de 1994 e 1995 o país teve duas competições, onde foram nomeadas como Grande Prêmio do Pacifico. Sete países tiveram duas competições no mesmo ano, para preencher algumas lacunas que surgiram durante a temporada.

Suzuka – Palco para os campeões • BP • Boletim do Paddock

A competição que havia se mudado para Suzuka em 1987, voltou a ocorrer por dois anos seguidos em Fuji (2007-2008), com parte de um acordo entre Toyota e Honda, mas devido à desaceleração da economia global a Toyota acabou deixando o caminho livre para que a corrida retornasse para Suzuka.

O circuito tem costume de ser o palco do triunfo de pilotos que tem mundiais na carreira, talvez seja por isso que é um dos mais reverenciados pelos pilotos. Para vários cabeças de gasolina a pista é muito especial devido as provas de tirar o folego que foram protagonizadas por Ayrton Senna nas decisões dos campeonatos de 1988, 1989 e 1990.

Ayrton Senna vence em Suzuka e conquista o seu primeiro título • BP • Boletim do Paddock

lll Fuji Speedway

A primeira edição da corrida contou com uma chuva torrencial e com vitória de Mario Andretti. Em uma corrida que decidiria a vitória do título ou para Niki Lauda ou James Hunt. Não podemos esquecer que em 1976, foi o ano do acidente de Lauda. Naquela corrida o austríaco daria apenas 2 voltas e recolheria para os boxes, vendo o seu grande rival do campeonato, que precisava apenas de um pódio para se consagrar campeão, o que ao final da corrida e após um pequeno desencontro de informações foi confirmado o triunfo de James Hunt.

No ano seguinte Hunt voltou para mais uma disputa, finalmente vencendo a corrida, mas no mesmo ano um acidente entre e Gilles Villeneuve e Ronnie Peterson, após uma colisão acabou matando dois espectadores.

Em 1978 houve a divulgação da confirmação do Grande Prêmio, mas pouco tempo depois ele seria cancelado oficialmente por motivos de segurança.

lll Suzuka

Dez anos depois da ausência da Fórmula 1 no país, a competição ganhou uma nova casa, com um circuito redesenhado pelo holandês John Hugenholtz e é propriedade da Honda e utilizado como pista de testes pela marca japonesa. Acabou ganhando o coração dos fãs por ser uma pista rápida e exigente e foi palco de vários momentos memoráveis e dramáticos ao longo da sua história.

A Curva 130R

A famosa curva 130R recebeu esse nome por causa do seu raio de 130 metros, podendo ser feita a mais de 300 km/h em sétima marcha. O pneu direito dianteiro, pode suportar o equivalente a 800 quilos de força descendente quando é realizada em à velocidade máxima.

Suzuka também é perigosa

A pista de Suzuka também é famosa por presenciar por diversas vezes acidentes terríveis, como o de Nigel Mansell em 1987 e Timo Glock em 2009 e em 2014 quando o francês Jules Bianchi da Marussia, após escapar da curva Dunlop atingiu um trator que retirava a Sauber do alemão Adrian Sutil, que rodara na pista na volta anterior o ocorrido, a tragédia gerou uma onda de revolta contra os organizadores da prova que infelizmente tomaram a decisão de colocar um trator em uma pista de alta velocidade sem ao menos colocar o Safety Car na pista. Nove meses depois do acidente a morte de Jules Bianchi foi anunciada em 17 de julho de 2015 e em meio a tantas boas disputas o autódromo carrega essa mancha de um dia muito triste para a Fórmula 1.

lll Pneus

O Japão é um dos circuitos mais populares no calendário da Fórmula 1, bem conhecido dos seus competidores por proporcionar as mais várias emoções. Para lidar com o circuito a Pirelli escolheu para este final de semana os compostos C1 (faixa branca – duro), C2 (faixa amarela – macio) e C3 (faixa vermelha – macio), pois são os melhores compostos para lidar com a energia demandada pela curva 130R. Na verdade os carros estão quase sempre executando alguma curva em Suzuka o que acaba exigindo muito dos pneus.

O asfalto em Suzuka é classificado como altamente áspero e abrasivo, o que ajuda na degradação e consumo alto dos compostos. No ano passado Lewis Hamilton foi o vencedor da prova, com apenas uma parada, utilizando o composto médio e terminando a prova com os duros.

A pista está localizada em uma área de instabilidade e o clima é o mais variável, com tufões que aparecem nesta época do ano e armam um desafio para o final de semana. A chuva pode aparecer nos mais variados momentos e com isso ela tira todo o emborrachamento, tornando a pista verde.

lll Corrida de 2018

A Ferrari facilitou as coisas para a Mercedes, Lewis Hamilton havia liderado todos os treinos livres, mas foi na classificação, no meio do chove e para, que a equipe italiana enviou Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen no momento errado e com os compostos mais errados ainda e com isso o inglês teve caminho livre para alcançar a 80ª pole da carreira.

Com Valtteri Bottas largando da segunda posição, o finlandês realizou o papel de escudeiro do time, realizando um bloqueio para as investidas de Max Verstappen que tentava chegar a primeira posição. Sebastian Vettel largou bem e de sexto subiu para a quarta posição, enquanto o holandês e o finlandês da Ferrari acabaram se tocando, rendendo uma punição de cinco segundos para o piloto da Red Bull.

Entre as voltas 4 e 8 o Safety Car esteve presente, para recolher os destroços da batida entre Kevin Magnussen da Haas e Charles Leclerc da Sauber. Na relargada Vettel foi para cima de Verstappen e foi ousado na tentativa de ultrapassagem, os dois se tocaram e o alemão foi perdendo posições na pista e com isso a batalha de Vettel pelo campeonato passava a ficar mais distante matematicamente.

Algumas ultrapassagens aqui e ali e Daniel Ricciardo que largou da décima quinta posição, terminou a prova em quarto. As paradas aconteceram nas mais variadas voltas, pois os pilotos escolheram entre os compostos médios e macios para a largada.

Lewis Hamilton venceu, seguido por Bottas e Verstappen. Ricciardo foi o quarto, com a Ferrari ocupando a quinta e a sexta posição, com Raikkonen e Vettel respectivamente. Ainda na zona de pontuação era possível ver Pérez, Grosjean, Ocon e Sainz. O inglês chegava aos 331 pontos, contra 264 do rival.

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados