365 dias

Os clubes de Tom

| Por: Eduardo Casola Filho

lll Série 365: Os clubes de Tom – 02ª Temporada: dia 289 de 365 dias.

Tom Pryce (Continental Circus)

Na história da música, uma das místicas mais lamentáveis foi o chamado Clube dos 27.

Sugere-se que estrelas musicais acabam morrendo quando tinham apenas 27 primaveras.

Nomes como Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison, Kurt Cobain e Amy Winehouse são os mais notórios.

Embora o Clube dos 27 seja restrito para os músicos, as pistas têm um representante nessa relação.

E uma das perdas mais brutais.

Contudo, Thomas Baldwin Pryce, ou simplesmente Tom Pryce, é um representante de um triste grupo.

Aquela que os britânicos chamam de a “Geração Perdida”.

A mesma geração que tinha Roger Williamson (vítima de uma negligência dos organizadores do GP da Holanda) e Tony Brise (pupilo de Graham Hill e que pereceu junto ao bicampeão e sua escuderia em um acidente aéreo).

Dos três britânicos, o galês Pryce foi o que teve a carreira mais longeva na F1.

O galês, que tinha como ídolo Jim Clark, teve uma jornada de muitos desafios e dificuldades.

De carreira discreta na base, chegou a trabalhar com Ron Dennis na Fórmula 3 inglesa.

Estreou na F1 em 1974 no GP da Bélgica, em Nivelles, com a nanica Token.

Pryce foi vetado para disputar a prova seguinte em Mônaco, por ser inexperiente.

Em Mônaco, de renegado a vencedor (Rodrigo Mattar)

O galês ainda resolveu insistir em correr no principado, mas pela F3, a bordo de um March da equipe Ippokampus Racing.

Na preliminar realizada em Monte Carlo, Tom dominou a prova e venceu por 21 segundos de vantagem. Nada mal para alguém taxado de inexperiente.

Alguns meses depois, uma oportunidade mais interessante.

A Shadow, equipe média do grid, procurava um piloto para substituir o falecido Peter Revson.

Após testar alguns nomes, a escuderia trouxe o galês para o carro 16 a partir da metade do campeonato.

Pryce se acidentou nas duas primeiras corridas (Holanda e França), mas mostrou potencial na etapa britânica.

Pryce logo se consolidou dentro da Shadow (Rodrigo Mattar)

Em Brands Hatch, o galês chegou a ser o mais rápido nos treinos livres, o que lhe rendeu 100 garrafas de champanhe!

Classificou-se em quinto e brigou pelos pontos, mas um problema mecânico o derrubou para o oitavo.

Na etapa seguinte, em Nurburgring, Tom pontuava pela primeira vez na F1, com o sexto posto no inferno verde.

Apesar de ser o único tento em 1974, as impressões sobre o galês foram excelentes.

Houve um burburinho sobre uma proposta da Lotus, mas Pryce seguiu na Shadow.

Foi em 1975 o seu momento mais brilhante.

Numa corrida extraoficial, em tarde chuvosa em Brands Hatch, Tom foi um dos grandes nos do dia.

O piloto da Shadow largou na pole e ficou entre os primeiros por toda a prova.

Faltando oito voltas para o fim, a Tyrrell de Jody Scheckter quebrou e Pryce retornou à ponta para não perder mais.

Embora não tenha contado para o campeonato e para as estatísticas oficiais, aquele foi o único triunfo do galês na F1.

Em 1975, seu ano mais positivo (Rodrigo Mattar)

Porém, Tom ainda teve bons momentos em 1975, com direito a um pódio (terceiro posto na Áustria), um quarto lugar na Alemanha e três sextos (Bélgica, Holanda e Itália).

Mesmo com a saída do principal patrocinador da Shadow, a petrolífera UOP, o início de 1976 foi promissor.

Em Interlagos, Pryce conquistou o terceiro lugar na abertura do campeonato.

Apesar do bom começo, a Shadow não conseguiu evoluir e Tom obteve apenas mais dois quartos lugares (Inglaterra e Holanda).

Por sua vez, o ano de 1977 estava complicado.

Na Argentina, o galês terminou em nono, mas não foi classificado, por terminar oito voltas atrás do vencedor. Já no Brasil, teve um motor estourado quando andava em segundo.

Em 5 de março de 1977, as perspectivas para o GP da África do Sul não eram das melhores.

Os últimos momentos (Continental Circus)

Tom largou em 15º e caiu para último na largada.

O galês vinha galgando posições e estava em 13º na altura da volta 22.

Naquele instante, o seu companheiro de equipe, o italiano Renzo Zorzi parou na reta dos boxes com um princípio de incêndio.

Dois fiscais de pista tentaram atravessar a pista, enquanto os carros ainda passavam.

Pryce estava colado em Hans-Joachin Stuck e não conseguiu mudar de rota a tempo.

Assim, acontecia o acidente mais feio, plasticamente, da história da Fórmula 1. E um dos mais trágicos.

O Shadow DN8 acertou em cheio o corpo do fiscal Fredrik Jensen Van Wuuren, cujo corpo dilacerado rodopiou no ar antes de cair no chão.

O pior é que o extintor que o fiscal carregava acertou em cheio a cabeça de Pryce.

O capacete branco com cinco listras negras e a bandeira de Gales, assim como a face do piloto estavam irreconhecíveis com o impacto. Tom Pryce estava morto.

E, se não bastasse isso, o Shadow desgovernado seguiu descendo a reta dos boxes a 250 km/h.

Só foi parar na grade de proteção após se chocar com a Ligier de Jacques Laffite na primeira curva.

Niki Lauda, que foi o vencedor daquela corrida em Kyalami (voltava a vencer após o terrível acidente de Nurburgring), declarou não sentir nenhum prazer por aquela vitória.

A viúva, Fenella, viu o seu esposo ser cremado na mesma igreja aonde se casaram dois anos antes.

Assim, o nome do galês entrou para a história como mais uma vítima das eras sangrentas da Fórmula 1.

Integrando um grupo promissor, com promessas que viram seus sonhos dissipados em alguns instantes.

E com a idade para integrar outro clube.

Fonte: Rodrigo Mattar, Continental Circus, Stats F1

lll A Série 365 Dias Mais Importantes do Automobilismo, recordaremos corridas inesquecíveis, títulos emocionantes, acidentes trágicos, recordes e feitos inéditos através dos 365 dias mais importantes do automobilismo.

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Mostrar mais

Eduardo Casola

Jornalista formado na Universidade de Sorocaba (Uniso) e apaixonado por esporte a motor desde quando se conhece por gente. Apenas um rapaz que gosta de uma boa corrida e de uma boa história!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados