ColunistaFórmula 1Post

Mercedes arrisca na estratégia, Hamilton se aproxima no final, mas Verstappen vence GP dos EUA

Hamilton tentou reduzir a diferença para Verstappen nos últimos minutos da prova, mas o holandês conseguiu conquistar a 18ª vitória da carreira

O Circuito das Américas foi o palco de uma mais uma batalha eletrizante entre Lewis Hamilton e Max Verstappen, nesta temporada 2021. O inglês surpreendeu Verstappen na largada e assumiu a liderança da prova por fazer uma escolha melhor neste começo. Entretanto, a corrida foi definida na estratégia, a Red Bull por ir por um lado conservador, enquanto a Mercedes decidiu arriscar. O time austriaco antecipou a parada de Verstappen, o holandês acelerou e retomou a liderança da prova.

A corrida não foi definida nesta primeira parada, mas contribuiu para a distância que foi estabelecida, fazendo Hamilton buscar a distância entre eles. Os times optaram por fazer uma prova com duas paradas a Mercedes ainda tentou uma estratégia para aproximar os rivais nas últimas voltas, não respondendo imediatamente a parada da Red Bull, mas Verstappen conseguiu garantir a 18ª vitória da carreira neste domingo (24).

Verstappen fez o uso do DRS na última volta, pois Mick Schumacher estar à sua frente, Hamilton também ativou o DRS, mas aproximação esperada não aconteceu. O holandês recebeu a bandeirada com 1s3 de vantagem para o inglês.

Com mais de 42 segundos de distância para o líder, Sergio Pérez recebeu a bandeirada na terceira posição. O mexicano estava fisicamente abalado, principalmente após ter ficado sem a bebida depois da primeira volta da corrida. Desgastado fisicamente, Pérez quase não resistiu as últimas voltas da corrida.

Charles Leclerc terminou a corrida na quarta posição, aquela que o monegasco é praticamente dono. Daniel Ricciardo ficou com o quinto lugar, depois de protagonizar um importante duelo com contra Carlos Sainz no começo da prova. Valtteri Bottas assumiu a sexta posição na última volta, ultrapassando o espanhol da Ferrari, desta forma Sainz teve que se contentar com o sétimo lugar. Por conta dos pneus macios da largada, Sainz estava com pneus duros mais velhos do que o finlandês da Mercedes.

Lando Norris teve um começo surpreendente, participando dos ataques em Sainz, mas terminou a corrida apenas no nono lugar. Yuki Tsunoda representou a AlphaTauri na nona posição, enquanto Sebastian Vettel foi o décimo, se aproveitando de um erro cometido por Kimi Raikkonen nos giros finais da prova.

A dupla da Alpine e Pierre Gasly não terminara a corrida.

A Fórmula 1 faz uma breve pausa agora, antes de retornar no dia 7 para o GP do México, e o início de uma rodada tripla que vai marcar a aproximação do encerramento da temporada.

Saiba como foi o GP dos Estados Unidos

Após todas as punições por troca de motor, o grid ficou definido desta forma. 

Instantes antes da largada foi revelado os pneus da largada dos pilotos, apenas Carlos Sainz e Yuki Tsunoda começaram a prova com os pneus macios – faixa vermelha pois fizeram a volta mais rápida do Q2 com eles. O restante do grid estava com os médios – faixa amarela instalados.

Quando a corrida começou a temperatura na pista estava na casa dos 37°C, com 28°C no ambiente.

Verstappen tentou fechar Hamilton, mas o holandês espalhou na largada, passando pela parte de fora, dessa forma o inglês assumiu a primeira posição e começou a abrir vantagem. Pérez teve que abortar a briga com o companheiro de equipe, mantendo a terceira posição. A brigada entre McLaren ficou intensa, Norris e Ricciardo tentaram engolir Sainz, mas o espanhol da Ferrari fazia o possível para não perder a posição.

Com o encerramento da primeira volta, Ricciardo ultrapassou Sainz para assumir o quinto lugar. Nikita Mazepin foi para os boxes. Ocon tinha largado mal, perdendo duas posições para a dupla da Alfa Romeo. Bottas era segurado por Tsunoda que era o oitavo colocado.

Na abertura da terceira volta, Verstappen estava separado por 0s847 de Hamilton. A ativação do DRS foi liberada. Tsunoda tinha ultrapassado Gasly, para ficar com a oitava posição.

Durante a quarta volta Ocon se direcionou para os boxes, instalando assim os pneus duros, retornando na 20 posição. O piloto tinha tocado em um dos carros da Alfa Romeo e com a asa dianteira danificada, precisou fazer a parada.

Com cinco voltas, os dez primeiros eram: Hamilton, Verstappen, Pérez, Leclerc, Ricciardo, Sainz, Norris, Tsunoda, Gasly e Bottas. Verstappen seguia sua perseguição em Hamilton, mas era alertado por ter extravasado os limites de pista na curva 19.

Nicholas Latifi que tinha colidido com Lance Stroll no começo da corrida, parou nos boxes e fez a troca da asa dianteira. O canadense da Williams voltou em cima de Ocon e eles quase se tocaram após a saída do pit-lane.

Fernando Alonso deixou a disputa pela décima quinta posição, para fazer a troca de pneus e instalar os compostos duros na volta 8. Esses pilotos que estavam fazendo a parada muito cedo, provavelmente teriam que trabalhar com a estratégia de duas paradas. A Alpine optou por tirar o espanhol do tráfego.

Na Alfa Romeo, fizeram uma estratégia semelhante com Antonio Giovinazzi, o italiano parou na volta 9, abandonando a décima primeira posição, para retornar no décimo sexto lugar, para instalar pneus médios usados.

As paradas deram seguimento, no décimo giro foi a vez de Tsunoda e Russell se encaminharem para os boxes. Ambos partiram para os pneus duros. E no giro seguinte, Verstappen foi chamado para os boxes, o holandês retornou atrás de Ricciardo. Norris e Gasly também pararam.

O australiano não apresentou resistência para Verstappen, que logo realizou a ultrapassagem. Na volta 12, Ricciardo, Sainz e Schumacher pararam. Hamilton permanecia na liderança, não dando sinais de quando faria a sua parada.

Com mais de cinco segundos de distância do mexicano para Hamilton, Pérez parou na volta 13, sua parada foi ruim, mas o mexicano conseguiu permanecer na terceira posição.

Verstappen estava fazendo uma grande corrida, era o dono da volta mais rápida depois de anotar 1m40s102. Na volta 14, a Mercedes chamou Hamilton para os boxes, o inglês fez a sua parada, mas foi devolvido para a pista atrás de Verstappen e com mais de seis segundos atrás do rival. Neste momento da prova, os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Pérez, Leclerc, Bottas, Ricciardo, Sainz, Norris, Vettel e Stroll. Entre os dez, apenas Bottas e a dupla da Aston Martin não tinham feito as suas paradas.

Pierre Gasly seguia para os boxes para abandonar a prova, a suspensão do seu carro tinha quebrado, um problema muito comum no Circuito das Américas.

Bottas não perdeu tempo para fazer a sua parada, foi chamado na volta 16, retornando na décima primeira posição. No giro 16, Alonso e Raikkonen se enfrentaram, os dois se tocaram o finlandês da Alfa Romeo assumiu a décima terceira posição.

O incidente entre Raikkonen e Alonso não precisou ser investigado, portanto as posições foram mantidas.

No giro 20, Bottas concluiu a ultrapassagem em Tsunoda. Raikkonen entrou na zona de pontuação com as paradas realizadas por Vettel e Stroll. Os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Pérez, Leclerc, Ricciardo, Sainz, Norris, Bottas, Tsunoda e Raikkonen.  Alonso concluiu a ultrapassagem em Giovinazzi, para ficar com a décima primeira posição, o italiano passou a perder performance. A ultrapassagem de Alonso feita em Giovinazzi foi notada pelos comissários. 

E na volta 24, a Alpine pediu para Alonso devolver a posição para Giovinazzi, tentando evitar uma penalidade de cinco segundos – Giovinazzi era o décimo primeiro, enquanto Alonso ficou com a décima segunda posição. O espanhol partiu para o ataque tentando retomar a posição, mas o italiano não quis saber, resistiu todas as investidas. E neste momento, o engenheiro de Giovinazzi pediu para ele dar a posição para Alonso, não deixando margem para o italiano resistir a ordem de equipe. E na volta 25 o espanhol era o décimo primeiro colocado.

Vettel ultrapassou Russell no giro seguinte para ocupar a décima terceira posição. Latifi e Ocon foram para os boxes na volta 27. Na ponta, Verstappen se mantinha na liderança, mas a distância para Hamilton tinha caído para apenas 2s8.

Na volta 28, Giovinazzi foi para os boxes para instalar os pneus duros. O Virtual Safety Car foi ativo apenas para a remoção de um detrito na pista e logo a pista foi liberada mais uma vez.

Uma nova janela de pit-stop começou a ocorrer na volta 30. Verstappen e Alonso pararam, para instalar um jogo de pneus duros novos. Na ponta Hamilton mudou o mapa do motor, para ser mais agressivo. Sainz fez uma parada bem ruim, 5s6 retornando na oitava posição.

As paradas seguiram, Pérez trocou os pneus em 2s4, a McLaren fez uma parada dupla e assim as posições foram mantidas: Ricciardo, Sainz e Norris.

Hamilton estava na liderança, com 16s2 separando-o de Verstappen, mas o holandês seguia reduzindo a distância. Com as novas paradas, Bottas assumiu mais uma vez a quinta posição.

Na volta 33, os dez primeiros eram: Hamilton, Verstappen, Pérez, Leclerc, Bottas, Ricciardo, Sainz, Norris, Vettel e Stroll. Novamente a dupla da Aston Martin estava atrás com relação as paradas.

A Mercedes não arriscou e fez a segunda parada com Bottas, o finlandês retornou na sétima posição, à frente de Norris.

No giro 37, Hamilton abandonou a ponta parando mais uma vez, mas a Mercedes instalou os pneus duros. No retorno do inglês para a pista, 8 segundos separavam-no do holandês.

Verstappen permaneceu na liderança, mas tinha apenas 6s5 de vantagem para Hamilton na volta 42. A Mercedes informava que Hamilton tinha condições de chegar no holandês nas voltas finais da corrida. Ocon se direcionou para os boxes na volta 42, abandonando a prova, pouco depois de Alonso parar pela terceira vez e instalar os pneus médios.

No giro 43, do nono ao décimo oitavo todos já tinham tomado uma volta do líder. Sainz e Ricciardo se tocaram quando o piloto da Ferrari tentou ultrapassar o rival da McLaren.

Restando dez voltas para a bandeirada final, a distância entre Verstappen e Hamilton caiu para 2s9. A disputa seguiu, na volta 49, a distância estava em 1s9.

E no giro 51, Alonso abandonou a prova, por uma possível quebra da suspensão traseira. Vettel concluiu a ultrapassagem em Giovinazzi, assumindo a décima primeira posição. A distância entre Verstappen e Hamilton estabilizou em 1s8.

E na volta 53, Raikkonen perdeu a traseira do carro e escapou na pista, perdendo assim a décima posição para ficar com o décimo segundo lugar.

Na volta final, Verstappen abriu o DRS, por estar atrás de Schumacher teve esse benefício, algo que contrbuiu para a sua defesa. Hamilton reduziu a distância para menos de um segundo, mas nos outros trechos do circuito ela aumentou. Verstappen recebeu a bandeirada quadriculada na ponta, para conquistar a 18ª vitória da sua carreira.

Hamilton ficou com o registro da volta mais rápida, anotando 1m38s485! 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados