ColunistaFórmula 1Post

GP de Sakhir – Estratégias no pit-stop, como as equipes trabalharam no novo circuito

A entrada do Safety Car mudaram o curso da corrida e a forma como as equipes lideram com as paradas. Sergio Pérez aproveitou o erro da Mercedes para vencer em Sakhir

Neste último fim de semana a Fórmula 1 disputou a penúltima etapa da temporada 2020, uma corrida movimentada protagonizada no anel externo do Circuito de Sakhir. Por conta das disputas e da volta abaixo de um minuto, várias pessoas gostariam de ver o traçado como um circuito fixo da Fórmula 1.

Para a prova a Pirelli optou pelos pneus da gama intermediária de sua gama, os mesmos que foram utilizados na última semana, mas mesmo com o asfalto abrasivo muitos pilotos trabalharam com a estratégia de apenas uma parada nos boxes, com stints longos utilizando os pneus macios e médios.

Confira: Volta por Volta – Pérez conquista vitória e Russell garante os primeiros pontos em Sakhir

Sergio Pérez venceu a corrida após o erro da Mercedes naquele pit-stop realizado durante o Safety Car provocado por Jack Aitken. O mexicano largou com os pneus macios e após ser tocado por Charles Leclerc precisou instalar os pneus médios para estender a sua permanência na pista. Logo depois vimos Pérez protagonizar uma corrida de recuperação que resultou em sua primeira vitória na Fórmula 1.

Confira: Mercedes erra feio no pit-stop após confusão no rádio

O carro de segurança do início da corrida teve o efeito de diminuir o ritmo, ajudando os pilotos na conservação dos pneus e na permanência na pista, desta forma o primeiro stint foi alongado. Mas vale lembrar que o vento que estava sendo soprado e as temperaturas baixas no asfalto contribuíram para a baixa aderência dos compostos.

Recomendação de paradas da Pirelli, mas que foi alterada por conta da entrada do Safety Car:

Foto: reprodução Pirelli

Duro – C2: foram ideias para quem trabalhou com a estratégia de uma parada, funcionou com Esteban Ocon que chegou na segunda posição e era a escolha inicial da Mercedes. A goma foi capaz de durar por várias voltas e diferente daquele GP de 2019 disputado no Bahrein, este composto foi muito utilizado nas duas provas realizadas em Sakhir;

Médio – C3: entre os dez primeiros, apenas a Mercedes conseguiu uma boa volta no Q2 com estes compostos, no entanto, a goma foi uma boa opção para aqueles que realizaram as suas apostas abaixo do top-10. A durabilidade deles também foi bem interessante, Bottas completou 49 voltas com o composto antes de partir para os pneus duros.

Macios – C4: foram a opção para a largada de alguns pilotos, 8 entre aqueles que estavam no top-10 tiveram que trabalhar com este pneu. Lance Stroll merece destaque pois realizou 42 voltas com o pneu mais macio da gama, antes de realizar a troca para os pneus médios.

Foto: reprodução Pirelli

Durabilidade dos pneus na rodada

Foto: reprodução Pirelli

Mario Isola, chefe da Pirelli na Fórmula 1, disse: “Um terceiro período com o safety car virou a corrida de pernas para o ar na volta 62, com uma confusão no pit lane que afetou a Mercedes, eles realizavam a corrida entre primeiro e segundo até aquele ponto. As condições frias provavelmente reduziram a degradação de todos os compostos, especialmente do C4, resultando na possibilidade da realização de apenas uma parada, especialmente para aqueles que começam com o pneu médio.”

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo