Fórmula E altera formato da classificação para 2022

Formato mata-mata, alteração no tempo de prova e confirmação do calendário. Muitas novidades depois da reunião do Conselho da FIA

Junto com o comunicado da FIA sobre os calendários de categorias como Fórmula 1, Fórmula 2 e Fórmula 3 para a temporada 2022, a Fórmula E teve a sua programação para o próximo ano confirmada. A categoria elétrica programou 16 corridas para a 8ª temporada.

No calendário divulgado em julho ainda não havia a confirmação de Jakarta, na Indonésia, mas a corrida será realizada no dia 4 de junho. As outras novidades de 2022 são as corridas em Vancouver, África do Sul e Seul. A quarta rodada ainda precisa ter o local confirmado, enquanto o ePrix da China também aguarda uma confirmação.

A Fórmula E confirmou o calendário para a temporada 2022 – Foto: reprodução Fórmula E

A Fórmula E ainda não informou sobre a sua pré-temporada para que possa testar o novo formato de classificação, além dos avanços do Gen2.

As mudanças principais para a 8ª temporada

A Fórmula E teve o seu regulamento esportivo revisado, portanto a categoria fez algumas mudanças para o próximo ano.

A ideia é não penalizar os pilotos com a redução da energia como foi até a 7ª temporada, mas dar mais dinâmica para a prova.

Como foi informado pelo Conselho Mundial de Automobilismo da FIA (WMSC) em julho, o Gen 2 da Fórmula E serão capazes de usar 220 kW de potência no próximo ano. Além disso, a potência durante o uso do Modo Ataque terá um aumento de 250 kW, contra 235 kW da 7ª temporada.

O novo formato de classificação na Fórmula E 

A Fórmula E adotará um formato mata-mata de classificação no próximo ano, uma espécie de sistema de chave composto pelo Grupo A e B, passando pelas quartas de final, semifinal e a definição do pole.

A categoria até forneceu um esquema para explicar a sequência de eventos dentro da classificação.

O esquema da classificação da Fórmula E em 2022 – Foto: reprodução Fórmula E

O grid ficará definido depois que tivermos o pole, sendo assim o pole corresponde ao grupo ímpar, enquanto o piloto da segunda posição é do grupo par.

Será levado em consideração, os tempos alcançados nas semifinais para definir o terceiro e quarto colocado. Assim como o tempo obtidos nas quartas de final, para classificar do quinto ao oitavo colocado.

Do nono ao último colocado, eles vão seguir a ordem do vencedor, desta forma o pole coloca o seu grupo nas posições ímpares, enquanto o segundo colocado, coloca o seu grupo nos pares.

Na classificação antiga, o formato já era um pouco confuso, os 24 pilotos estabeleciam os seus tempos em quatro grupos separados. Depois os seis primeiros faziam a volta mais rápida, brigando pela super pole.

O formato antigo não agradava, pois penalizava os líderes do campeonato. Agora a categoria está buscando mais uma vez a imprevisibilidade e uma forma de misturar o grid. O piloto Sam Bird havia sugerido uma mudança no formato da classificação.

“As mudanças feitas na classificação e no tempo de corrida refletem o nosso foco e o da FIA na integridade esportiva e na maximização do espetáculo das corridas. Nosso novo formato de classificação irá mostrar as equipes e pilotos frente a frente ao longo da temporada, enquanto ainda permite que qualquer piloto conquiste a pole position”, informou Alberto Longo, chefe executivo e co-fundador da Fórmula E.

“Para nossos fãs, o novo formato de classificação foi projetado para ser intuitivo, imprevisível e divertido. A capacidade de aumentar o tempo de corrida quando temos incidentes durante a corrida regular de 45 minutos é um produto em decorrência da rápida evolução da tecnologia de veículos elétricos e melhorias contínuas na eficiência energética pelas equipes de Fórmula E. ”

Sair da versão mobile