ColunistaFórmula 1Post

Crônica – Os 70 anos de desenvolvimento, segurança e cobranças

O acidente de Romain Grosjean foi o resultado de vários acidentes que modificaram a categoria e permitiram que o piloto sobrevivesse

Um grito travado na garganta após a largada. Foi assim que eu me senti, me dividindo entre o compromisso de relatar os fatos e me sentindo devastada com as imagens do acidente de Romain Grosjean.

Agora é fácil sentir um alívio, principalmente após ver as imagens que foram tão surpreendentes quanto aquelas geradas após a batida e o incêndio do carro. O Medical Car chegou poucos segundos após o carro de Grosjean que estava despedaçado ser consumido em chamas. Quando notaram que o piloto estava acordado e se soltando do carro, logo acionaram o extintor de incêndio para aliviar as chamas e chegar até Grosjean.

O extinto de sobrevivência e de heroísmo consumiu aquelas pessoas que se envolveram naquela cena, arrancaram Grosjean com bravura. Fizeram as primeiras checagens e logo o piloto foi encaminhado para passar por todos os procedimentos de segurança.

Acidente Romain Grosjean – Foto: reprodução

Já vi simulações de resgate de pilotos em Interlagos, as equipes médicas trabalham em perfeita sincronia, treinam arduamente para fazer com que todos os segundos trabalhem a favor da vida, mas ninguém deseja que esse trabalho seja necessário.

Correr é uma atitude de bravura independente do seu tempo. Concordo com o nosso host do #BPCast Rubens GP Netto que falou que não foram acidentes pontuais que salvaram a vida de Romain Grosjean, mas os 70 anos da Fórmula 1. Em meio os acertos e erros a categoria foi se moldando para trazer mais segurança, os pilotos passaram a cobrar por mais atenção nos carros e autódromos.

Nesta trajetória existem vários relatos de mudanças que possibilitaram a gente chegar até aqui: tirar um piloto com vida, com apenas algumas queimaduras, mas andando após sofrer um impacto de 53G.

E é fato que ainda ocorreram algumas falhas, sendo possível melhorar em alguns aspectos, mas o resultado do GP do Bahrein foi uma grande vitória. Estética não pode ser a questão principal, pois a segurança sempre vai ser fundamental e o ponto mais importante. O halo levantou várias polêmicas quando foi adotado pela categoria, mas hoje a gente percebe que ele já livrou vários pilotos de acidentes que poderiam ser mais graves.

Stroll bateu com Kvyat na relargada e ficou de ponta cabeça – Foto: reprodução

A Fórmula 1 não é “Nutella” atualmente, ela só é um reflexo de anos de estudos, avaliações precisas, desenvolvimento e muita tecnologia aplicada. Uma competição que lida com riscos todas as vezes que os carros entram nas pistas, mas que busca soluções para amenizar os problemas que podem aparecer em uma próxima curva.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados