ColunistaFórmula 1Post

Com grande pilotagem e estratégia, Lewis Hamilton vence GP da Espanha

Lewis Hamilton superou Max Verstappen para vencer o GP da Espanha, após ser ultrapassado pelo holandês na largada

A corrida na Espanha disputada neste domingo (09) foi muito boa, Max Verstappen assumiu a liderança após a largada, depois desta manobra vimos uma grande disputa entre Lewis Hamilton e o holandês da Red Bull, ocorrendo na pista, mas também a guerra de estratégias travada nos boxes.

Verstappen liderou boa parte da prova, mas foi o segundo pit-stop de Hamilton que determinou a vitória do inglês. Verstappen não parou uma segunda vez quando o rival foi para os boxes, Valtteri Bottas assumiu a segunda posição naquele momento e também não foi chamado para outra parada, desta forma a Red Bull foi mantendo seu piloto na pista até perder a chance de realizar uma segunda parada.

Se Max fosse para os boxes teria que se defender dos ataques de Hamilton e gastar pneu para se aproximar de Bottas e recuperar a ponta – de qualquer forma a estratégia da Mercedes complicou a corrida de Verstappen. 

Nas últimas voltas era inevitável, Verstappen não tinha mais pneu, então Hamilton realizou a ultrapassagem e assumiu a liderança com muita facilidade, pois é muito difícil completar o GP da Espanha com um única parada, justamente por conta do desgaste dos pneus na pista. Desta forma restou para a Red Bull ficar com a segunda posição, mas garantir o ponto da volta rápida – agora eles estão separados por 14 pontos no campeonato.

O GP da Espanha proporcionou uma leitura que lembra muito o que aconteceu no Bahrein, mas Verstappen perdeu a vitória pelos limites de pista naquela ultrapassagem com Hamilton. 

Valtteri Bottas não teve uma corrida muito tranquila, mas terminou na terceira posição, foi pressionando por Leclerc em alguns momentos da prova e precisou recuperar a terceira posição após a largada.

Hamilton tem mais um recorde, cinco vitórias consecutivas em um mesmo circuito (Ayrton Senna tem está marca em Mônaco de 1989 a 1993 e Hamilton de 2017 a 2021 na Espanha). O inglês conquistou a sua 98ª vitória.

Saiba como foi a corrida

O GP da Espanha, começou na classificação, Lewis Hamilton conquistou a 100ª pole da sua carreira, para começar a prova na Catalunha pela sexta vez na ponta.

Do fim do grid Nikita Mazepin voltou a ser superlento, ainda acabou atrapalhando Lando Norris no trecho final da pista recebendo uma punição – o russo perdeu mais um ponto na superlicença (segundo em doze meses) e ainda foi punido com a perda de três posições no grid, mas como já estava ocupando a última posição, permaneceu no vigésimo lugar. O piloto da Haas ainda criticou o ‘’acordo de cavalheiros’’.

O grid de largada ficou definido desta forma: 

Cinco minutos antes do início da corrida a temperatura da pista estava na casa dos 32°C, com 21°C no ambiente.

Hamilton segurou a ponta até o final da reta, mas Verstappen assumiu a ponta apostando em um outro ponto de freada, desta forma o piloto da Red Bull realizou a ultrapassagem. Leclerc ganhou a 3ª posição, após ultrapassar Bottas, o finlandês foi fechado por Hamilton. Pérez saltou para a 6ª posição. Na parte de trás, fora da zona de pontuação, Kimi Raikkonen assumiu a 14ª posição que era do companheiro de equipe, Antonio Giovinazzi.

Na segunda volta, os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Leclerc, Bottas, Ricciardo, Pérez, Ocon, Sainz, Norris e Alonso. O holandês abriu mais de 1s8 para Hamilton.

Durante o quinto giro, Leclerc já estava separado por mais de 6 segundos de Hamilton, enquanto Bottas estava a 1s2 do monegasco, tentando recuperar a posição perdida. Na disputa pela 5ª posição, era possível ver Pérez atacando Ricciardo, aproveitando para abrir o DRS.

Mick Schumacher estava na 17ª posição, aproveitando a queda de Russell no grid após a largada. Latifi era o 19º, acompanhado por Mazepin.

Na oitava volta uma bandeira amarela foi ativada na curva 10, pois o carro de Yuki Tsunoda acabou apagando. O Safety Car foi ativo na volta seguinte e a Alfa Romeo fez uma lambança completa no pit-stop de Antonio Giovinazzi ao trocar os compostos, o pneu dianteiro esquerdo do piloto estava com problema e eles precisaram buscar outro conjunto nos boxes para realizar a troca.

O italiano voltou muito atrás do pelotão, mesmo a dupla da Williams que realizou uma parada nos boxes, estava muito à frente do piloto da Alfa Romeo.

A relargada ocorreu na décima primeira volta, Leclerc aproveitou para atacar Hamilton, pois a distância entre eles tinha reduzido. Alonso começou a perder espaço, por ter escapado entre as curvas 1 e 2 – Stroll aproveitou o momento para realizar a ultrapassagem e ganhar o 10º lugar.

Pierre Gasly foi punido com cinco segundos por ter parado fora do colchete no momento que alinhou para a largada.

Na volta 13, os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Leclerc, Bottas, Ricciardo, Pérez, Ocon, Sainz, Norris e Stroll.

Duas voltas depois, Sainz estava marcando Ocon, na disputa pela sétima posição. Hamilton já tinha mais de 3s6 de distância para Leclerc.

Na volta 18 Hamilton estava informando do desgaste dos pneus, o macio direito traseiro já estava apresentando bolhas. A distância entre o inglês e Verstappen era de 1s3 e seguia se mantendo desta forma.

Pierre Gasly cumpriu a sua punição na volta 20 e retornou para a pista com os pneus médios, assim como a dupla da Williams quando realizou a sua parada. O piloto da AlphaTauri retornou na décima nona posição. Giovinazzi já era o décimo sexto colocado.

Fernando Alonso e Vettel foram juntos para os boxes na volta 22, os pilotos retornaram com os médios – a estratégia mais esperada para esta parada. O espanhol e o alemão estavam disputando a décima primeira posição. Eles retornaram para a pista no final do pelotão.

Na volta 24 foi a vez de Bottas realizar a sua parada, retornando na sexta posição, Esteban Ocon e Lando Norris que também estavam próximos no grid, realizaram as suas paradas juntas. Mick Schumacher foi outro piloto que também precisou trocar os pneus.

Durante a volta 25, Max Verstappen foi para os boxes, a sua parada foi ruim (4.2), o mecânico estava distante do carro, o holandês retornou na quinta posição e no giro seguinte a Red Bull pediu a inversão das posições entre Pérez e Verstappen.

Daniel Ricciardo que estava entre os dez, realizou a sua troca de pneus, retornando na oitava posição.

A Mercedes pediu bandeira azul para Nikita Mazepin, para que Hamilton tivesse a chance de brigar pela posição com Verstappen.

No giro 27, os dez primeiros eram: Hamilton, Leclerc, Verstappen, Pérez, Bottas, Raikkonen, Ricciardo, Russell, Sainz e Latifi.

Foi na volta 28 que Hamilton se dirigiu para os boxes, sua parada foi de 2s7 – Verstappen voltou a assumir a primeira posição. Leclerc Também foi para os boxes, retornando na quarta posição, Bottas conseguiu ganhar a posição do monegasco com as paradas.

Fernando Alonso passou a informar sobre um problema no motor, já que a unidade de potência começou a falhar.

Raikkonen que era o quinto colocado, por ter largado com os pneus médios, começou a perder espaço na pista na volta 30, os pilotos que estavam com os pneus médios novos conseguiam ultrapassar o finlandês facilmente. O mesmo acontecia com Giovinazzi que estava na décima segunda posição, como ele realizou uma parada no início da corrida, começou a se tornar um alvo fácil para os outros pilotos.

Na volta 32, os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Bottas, Leclerc, Ricciardo, Pérez, Sainz, Raikkonen, Ocon e Norris. A distância entre Verstappen e Hamilton caiu para 1s6, mas seguia reduzindo, mesmo com eles passando retardatários na pista.  

A partir da volta 34 a distância entre Hamilton e Verstappen tinha caído para menos de um segundo, o inglês começava a buscar os pontos de aferição do DRS para poder utilizar a asa móvel e se aproximar do rival.

Com 38 voltas, Raikkonen foi para os boxes e retornou com os pneus macios, mas o piloto da Alfa Romeo era o décimo sétimo colocado – ficando atrás de Antonio Giovinazzi.

E na volta 41 mais alguns pilotos já tinham realizado a sua segunda parada, como Stroll e Vettel, que retornaram para os pneus macios. Giovinazzi também precisou de mais uma parada, optando mais uma vez pelos macios, após completar 31 voltas com os macios.

Hamilton retornou para os boxes na volta 43 e instalou mais um jogo de pneus médios – a distância para o rival era de menos de um segundo. Verstappen ainda se segurava na ponta, a Red Bull optou por segurar o holandês por mais tempo na pista.

Na volta 45 Hamilton anotou 1m20s775 – o giro mais rápido da corrida.

Duas voltas depois, Ricciardo e Sainz pararam mais uma vez!

Hamilton estava separado por 6s1 de Bottas e o finlandês dez segundos atrás do piloto da Red Bull.

As últimas voltas da corrida, prometiam ser parecidas com o que ocorreu no Bahrein, mas agora com Verstappen na liderança e Hamilton precisando caçar o piloto da Mercedes. O holandês já estaria com os pneus bem desgastados.

Com aproximação de Hamilton em Bottas, o finlandês teria que entregar a sua posição para o companheiro de equipe, afinal o inglês estava lutando pela vitória da prova. A distância seguia caindo do segundo para o primeiro colocado.

Hamilton chegou em Bottas, mas o finlandês não facilitou a ultrapassagem mesmo com ordens da equipe para não dificultar a posição.

Na volta 54, Carlos Sainz já estava na 7ª posição, após ter realizado algumas ultrapassagens na pista. Bottas realizou uma segunda parada, retornando na quarta posição, atrás de Charles Leclerc, mas com apenas 4s7 de diferença entre o finlandês e o monegasco – Bottas estava de pneus macios.

Giro 56 Bottas tinha a volta mais rápida 1m20s091!

Hamilton já estava a 3s1 de Verstappen era a volta 58.

Na volta 58, realizou mais uma parada, retornando com os pneus macios.

 

Na volta 60, os dez primeiros eram: Hamilton, Verstappen, Bottas, Leclerc, Pérez, Riccardo, Sainz, Ocon, Norris e Alonso. Verstappen não tinha mais pneu, então o inglês realizou a ultrapassagem facilmente, o holandês tentou mudar de direção na pista para não dar vácuo para o rival, mas foi inevitável segurar a ultrapassagem.

Verstappen parou na volta 61 e retornou com os pneus macios, para buscar a volta mais rápida.  Na pista, Alonso, Stroll, Raikkonen Gasly e Vettel estavam se enfrentando na pista, disputando espaço. Alonso e Stroll se tocaram o canadense não usou a área de retorno para a pista e seguiu na disputa pela 10ª posição – o lance entre o espanhol e o canadense passou a ser investigado

Alonso começou a tomar várias ultrapassagens, caindo para a décima terceira posição, já que Stroll, Gasly e Raikkonen tinham ganhado a posição de Alonso.

Na volta 63, Gasly assumiu a décima posição, Alonso foi para os boxes e retornou na 17ª posição. Verstappen registrou 1m18s149.

Na volta 65, 8º ao 17º todos já tinham tomado uma volta do líder, apenas a dupla da Haas tinha levado duas voltas do líder.

A corrida se encerrou na volta 66, Hamilton cruzou a linha de chegada na primeira posição, vencendo a Red Bull mais uma vez com estratégia, Verstappen teve que se contentar com a segunda posição, após liderar muitas voltas no GP da Espanha. Valtteri Bottas ficou com a terceira posição, seguido por Charles Leclerc, Sergio Pérez, Daniel Ricciardo, Carlos Sainz, Lando Norris, Esteban Ocon e Pierre Gasly.

Verstappen garantiu o ponto extra da volta mais rápida. 

Hamilton venceu a votação, se tornando o piloto do dia. 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados