Charles Leclerc crava pole em Mônaco, com grande destaque para o desempenho da Ferrari

O monegasco cravou a pole, mas acabou batendo no final da classificação. Max Verstappen ficou com o segundo lugar

Charles Leclerc cravou a 8ª pole da carreira, desde o GP do México de 2019 o piloto monegasco não conquistava a pole. O monegasco cravou em casa 1m10s346, após a Ferrari apresentar um bom rendimento durante todo o fim de semana. Mas ainda vale lembrar que Leclerc perdeu parte do TL1 quando o carro sofreu uma quebra.

A classificação poderia ser mais disputada, mas a atividade encerrou em regime de bandeira vermelha, após o próprio dono da pole bater na última chicane da piscina. Leclerc já tinha tocado o muro de contenção e quebrado a suspensão, desta forma o piloto passou direto, sem chances de evitar a colisão. A Ferrari terá que realizar reparos no carro, para o piloto competir na corrida deste domingo.

Desta forma ninguém teve a chance de melhorar os seus tempos nos últimos minutos do Q3, Max Verstappen vai largar da segunda posição pois cravou 1m10s576, acompanhado por Valtteri Bottas que anotou 1m10s601, apresentando um desempenho melhor que o de Lewis Hamilton – o inglês vai começar a corrida da sétima posição.

Carlos Sainz teve que se contentar com o quarto lugar após liderar boa parte de todos os treinos livres realizados no circuito. Lando Norris levou o carro da McLaren para a quinta posição, acompanhado por Pierre Gasly com a AlphaTauri.

Sebastian Vettel também avançou para o Q3 com a Aston Martin e garantiu a oitava posição com 1m11s419. Sergio Pérez não teve um bom desempenho e fechou a atividade na nona posição.

Grande surpresa na classificação, Antonio Giovinazzi passou para o Q3 com a Alfa Romeo e conquistou o décimo lugar. O italiano também estava realizando bons treinos livres. É a primeira vez na temporada que a Alfa Romeo consegue avançar com um dos pilotos para o Q3.

A largada em Mônaco ocorre neste domingo às 10h pelo horário de Brasília.

Saiba como foi a classificação

Mick Schumacher que encerrou o TL3 na décima quarta posição da tabela de tempos não participará da classificação, ele acabou perdendo a traseira do carro na saída do cassino, provocando o regime de bandeira vermelha. Com pouco tempo para arrumar o carro, a Haas não pode encaminhar o piloto para a pista. 

Antes do início da atividade a Mercedes estava mexendo no carro de Valtteri Bottas, realizando alguns ajustes na suspensão do W12.

Q1

Antes da atividade começar, a temperatura na pista estava na casa dos 34°C, com 19°C no ambiente. A temperatura da pista tinha subido um pouco após o encerramento do TL3.

Com o circuito liberado, a dupla da Haas, Alpine, Alfa Romeo, Williams e Nikita Mazepin, partiram para buscar as suas voltas rápidas, usando os pneus macios (faixa vermelha).

Yuki Tsunoda anotou 1m14s091, mas rapidamente outros pilotos aferiram tempos melhores, Lando Norris assumiu a ponta com 1m12s676, seguido por Max Verstappen com 1m12s987 e Antonio Giovinazzi com 1m13s429.

Os pilotos já precisavam negociar espaço com os rivais, por conta do forte tráfego no circuito. Na quarta volta do pneu, Antonio Giovinazzi melhorou a marca para 1m12s132, mas a sua marca foi superada por Valtteri Bottas que cravou 1m11s794.

Carlos Sainz assumiu a ponta com 1m11s341, enquanto Verstappen estava separado por apenas 0s181 do piloto da Ferrari. Kimi Raikkonen acabou cometendo um erro na sua volta, passando direto para a área de escape.

Restando cerca de oito minutos para o encerramento do Q1, os dez primeiros eram: Bottas, Verstappen, Norris, Sainz, Leclerc, Hamilton, Pérez, Stroll, Giovinazzi e Vettel. Os pilotos permaneciam na pista, obtendo os melhores tempos com mais voltas no composto. Com seis giros Bottas cravou 1m10s938, com Leclerc na terceira posição com 1m11s113.

Desta forma nos últimos seis minutos, alguns pilotos que já haviam trocado os pneus, retornavam para a pista buscando um tempo melhor, tentando mais uma vez completar várias voltas com o mesmo composto macio. O mesmo fato já tinha sido observado durante os treinos livres, com pilotos fazendo a sua volta rápida com um composto que já tinha passado dos dez giros.

Com o Q1 próximo do encerramento, Fernando Alonso estava preso na zona de eliminação.  A dupla da Alfa Romeo se garantiu no Q2 com os dois carros, Antonio Giovinazzi subiu para a nona posição com 1m11s658, enquanto Kimi Raikkonen era o décimo segundo colocado com 1m11s899, após ser superado por Daniel Ricciardo com 1m11s747. Sebastian Vettel também foi para o Q2 com a sua décima quinta posição com 1m12s078.

Eliminação

16) Yuki Tsunoda – 1m12s096
17) Fernando Alonso – 1m12s205
18) Nicholas Latifi – 1m12s366
19) Nikita Mazepin – 1m12s958
20) Mick Schumacher – não teve tempo registrado

Q2

A sessão começou e os pilotos optaram por pneus macios novos, mas foram rapidamente para a pista. Enquanto a Alfa Romeo registrava 1m12s018 com Kimi Raikkonen, Carlos Sainz tinha 1m10s806, seguido por Charles Leclerc com 1m11s037.

Os tempos seguiam melhorando, a Aston Martin estava no top-10, Sebastian Vettel era o sétimo colocado com 1m11s759, com Lance Stroll na oitava posição com 1m11s876. A estratégia era permanecer na pista, as voltas estavam evoluindo na quarta volta do composto. Verstappen anotou 1m10s650 assumindo a ponta.

Os pilotos retornaram para os boxes restando sete minutos para o encerramento do Q2, os dez primeiros eram: Verstappen, Sainz, Leclerc, Norris, Bottas, Hamilton, Pérez, Vettel, Gasly e Ricciardo.

Os pilotos partiram mais uma vez para a pista nos últimos cinco minutos, novamente os pilotos apostavam nos pneus macios, não só pela aderência, mas também pela facilidade de aquecer estes compostos.

No primeiro giro rápido após a troca de pneus, os pilotos que estavam na zona de eliminação até melhoravam os seus tempos, mas não conseguiram retirar ninguém do top-10.

Antonio Giovinazzi conseguiu escapar da zona de eliminação, encaixando o décimo tempo com 1m11s409, superando Ocon, Ricciardo e Stroll, pilotos. Raikkonen ficou apenas com o décimo quarto lugar. 

Eliminados

11) Esteban Ocon – 1m11s486
12) Daniel Ricciardo – 1m11s598
13) Lance Stroll – 1m11s600
14) Kimi Raikkonen – 1m11s642
15) George Russell – 1m11s830

Q3

Os pilotos partiram para a pista com os pneus macios mais uma vez, mas agora para disputar a pole. Charles Leclerc anotou 1m10s346, acompanhado por Max Verstappen com 1m10s576, separados por 0s230. Valtteri Bottas estava se saindo melhor que Hamilton e cravou o terceiro melhor tempo com 1m10s601.

Os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Bottas, Sainz, Norris, Gasly, Hamilton, Vettel, Pérez e Giovinazzi. O italiano que era o décimo colocado com 1m11s779, foi liberado para a pista com pneus macios usados conservando os pneus novos para as últimas voltas.

O tempo a ser batido era o estabelecido por Leclerc, mas a sessão foi encerrada em regime de bandeira vermelha, pois o monegasco acabou batendo na última perna da chicane da piscina, assim como Latifi no TL3. O piloto da Ferrari acabou quebrando a suspensão dianteira do carro, assim como a asa dianteira.

A atividade foi encerrada pois restavam apenas 17 segundos, os pilotos não tiveram a chance de melhorar os seus tempos, pois logo a sessão se deu por encerrada. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Sair da versão mobile